Tarde de Campo sobre o Greening é realizada em Córrego Fundo

Na tarde do dia 04 de julho, foi promovida em Córrego Fundo, uma Tarde de Campo sobre o Greening. O evento foi resultado de uma parceria entre a Emater/MG (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais) unidades de Córrego Fundo e Formiga, IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) e Fazenda Irmãos Terra e ocorreu no Sítio do Juliano da Mercearia, em Falhas.
Além do prefeito, Danilo Oliveira Campos, do técnico da Emater de Córrego Fundo, Marcos Roberto de Souza e produtores em geral, estiveram presentes a fiscal do IMA, Dinara Mattioli Lima e o coordenador técnico regional da Emater de Divinópolis/MG, Lamartine Wéliton Branquinho, que ministrou a palestra na ocasião.
Marcos falou sobre a importância de se esclarecer sobre o tema. Segundo ele, o Greening é a pior doença da citricultura, pois não tem cura e nem tratamento. “A planta, após infectada pela bactéria, não há o que fazer. O jeito é erradicar a planta e também impedir sua rebrota. A disseminação da doença ocorre principalmente pelo vetor chamado psilídio, um inseto minúsculo, que suga a seiva de uma planta infectada, consequentemente suga a bactéria. Assim que ele pousa em uma planta sadia para sugar a seiva dela, acaba infectando essa planta”. Marcos informa que as duas formas de se evitar essa doença é realizando o controle do inseto, além de adquirir mudas de viveiros acompanhados e fiscalizados pelo IMA. “De preferência que seja de cultivo telado, garantindo que essas mudas não venham do viveiro infectadas pela bactéria”, explicou.
Marcos lembrou ainda que existem a portaria do MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) nº 317 de 12 de maio de 2021 e a portaria nº 2.061 de 09 de junho de 2021, que visa ao controle e prevenção dessa doença.
A servidora do IMA explicou que caso tenha alguma propriedade esteja suspeita da doença, o IMA vai até o local, faz a coleta de amostra oficial, manda para um laboratório específico e se o resultado for positivo, o produtor é notificado a fazer a erradicação da planta, bem como o manejo da rebrota, evitando que a mesma se desenvolva, tendo em vista que essa rebrota já estará contaminada, todo esse processo, sem nenhum tipo de indenização da planta erradicada ao produtor. Por isso a prevenção é sem dúvida uma das melhores ferramentas contra essa doença.

%d blogueiros gostam disto: